Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.8/3194
Título: Competência em suporte básico da vida nas comunidades escolares: uma perspectiva de cidadania
Autor: Caseiro, Christine Branquinho
Orientador: Gaspar, Pedro João Soares
Palavras-chave: Suporte básico de vida
Comunidade escolar
Cidadania
Data de Defesa: 17-Dez-2014
Resumo: A paragem cardíaca súbita é uma importante causa de morte no mundo. Na Europa afeta cerca de 700.000 indivíduos por ano e a probabilidade de recuperar uma vítima em paragem cardio-respiratória (PCR) com sucesso diminui 7 a 10% por cada minuto que passa. Qualquer pessoa pode e deve aprender as manobras de SBV o que facilita o início vital precoce das mesmas, pois os serviços de emergência raramente conseguem aceder à vítima nos primeiros minutos após o colapso, pois grande parte das PCR ocorrem num ambiente pré-hospitalar. A escola é um bom local para a introdução do ensino em SBV pois a maioria da população passa pelo sistema de ensino. A Assembleia da República resolve a 15 de março 2013, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo que: “Introduza nas escolas nacionais, no início do ano letivo de 2013 -2014, uma formação de frequência obrigatória dirigida aos alunos do 3.º ciclo do ensino básico e com uma duração total de seis a oito hora” denominada de SBV. Este estudo quantitativo, transversal e correlacionado analisa o nível de conhecimentos em SBV e a motivação para SBV da comunidade escolar (alunos, professores e auxiliares de ação educativa) e o reconhecimento que estes têm do Enfermeiro como formador nesta área (estudo A). Estudou-se também um padrão de formação em SBV para as profissões de Saúde nas Escolas Superiores de Saúde (estudo B). Com base numa amostra acidental de 951 indivíduos de três escolas para estudo A e de uma amostra de 11 escolas para estudo B concluiu-se que 90,1% da comunidade escolar não tem formação em SBV e que desta forma não foi cumprida a recomendação do governo para este ano letivo. Os alunos evidenciam um maior nível de conhecimentos em SBV em relação aos professores e aos auxiliares de ação educativa. As competências nos fatores de Reconhecimento e Ativação de Socorro são tendencialmente mais elevadas do que nos fatores Execução de Manobras de Reanimação. A comunidade escolar no seu geral reconhece mais competência ao Enfermeiro para ser formador em SBV. Todas as Escolas Superiores de Saúde referiram ministrar SBV numa média de 15 horas com aulas teóricas, práticas e teórico-práticas.
URI: http://hdl.handle.net/10400.8/3194
Designação: Enfermagem à Pessoa em Situação Crítica
Aparece nas colecções:Mestrado em Enfermagem à Pessoa em Situação Crítica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação _ Christine Branquinho.pdf977,39 kBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.