Principal Comentários Entrar
   
   
Advanced Search  

IC-online >
IPL >
Mestrados da ESTM >
Mestrado em Biotecnologia dos Recursos Marinhos >

 
Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.8/593

Título: Produção e caracterização da capacidade antioxidante de gelo suplementado com extrato de Fucus spiralis
Autor: Rodrigues, Ana
Palavras-chave: Atividade antioxidante
Fucus spiralis
Gelo suplementado
Antioxidant activity
Ice supplemented
Issue Date: 19-Dec-2011
Resumo: O peixe fresco é suscetível à deterioração causada por reações microbiológicas e químicas. A deterioração lipídica ocorre facilmente e limita a vida de prateleira de peixes gordos durante o armazenamento. Compostos bioativos, como compostos fenólicos presentes em algas como a Fucus spiralis com elevada capacidade antioxidante podem ser utilizadas para retardar ou inibir os processos de oxidação lipídica no pescado fresco. No presente trabalho, avaliou-se a eficiência da utilização Algelo, gelo suplementado com extrato da alga Fucus spiralis, na estabilidade oxidativa da sardinha (Sardina pilchardus). Os compostos bioativos foram extraídos da alga Fucus spiralis com recurso a solventes polares, a água e o etanol com diferentes proporções. Foi avaliada a capacidade antioxidante das diferentes extrações e do Algelo através de dois métodos, a Quantificação Total de Polifenóis (QTP) e a capacidade de redução do radical 1, 1-Diphenyl2-picrylhydrazyl (DPPH). A estabilidade oxidativa da sardinha foi avaliada pela determinação do índice do ácido tiobarbitúrico (TBA) e pela determinação dos parâmetros de cor L* e a*. As extrações com etanol demonstraram elevada capacidade de captação de compostos fenólicos, sendo esta capacidade independente da % de etanol. As soluções resultantes da extração da alga Fucus spiralis demonstraram estabilidade antioxidante durante 60 dias. No entanto, o Algelo mostrou pouca capacidade para reter os compostos antioxidantes, sendo estes maioritariamente lixiviados na água de degelo. Foram feitas duas concentrações da solução utilizada para produção de Algelo, 100 / e 500 mg de eq. de ácido gálico /l, de modo a avaliar o efeito deste na oxidação lipídica dos filetes de sardinha. Apenas a concentração de Algelo mais elevada mostrou reduzir a oxidação lipídica da sardinha às 48 horas. Os parâmetros de cor L* e a* da sardinha não foram alterados pela presença do Algelo. Como conclusão, podemos afirmar que a solução de gelo suplementado com extratos de Fucus spiralis tem elevada capacidade antioxidante, sendo estável ao longo do tempo. O Algelo não se mostrou muito eficaz na inibição da oxidação lipídica da sardinha, facto que poderá estar relacionado com a perda da capacidade antioxidante do Algelo à superfície, com perda das moléculas antioxidante na água de degelo.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Biotecnologia dos Recursos Marinhos apresentada à ESTM - Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar do Instituto Politécnico de Leiria
URI: http://hdl.handle.net/10400.8/593
Appears in Collections:Mestrado em Biotecnologia dos Recursos Marinhos

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Mestrado Biotecnologia RM_Ana_Ines_Rodrigues.pdf984,82 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


© 2007-2009 Instituto Politécnico de Leiria - Feedback - Statistics
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência  Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE